Eirich do Brasil
eirich@eirich.com.br

Conheça a nossa tecnologia para aproveitamento de resíduos 01/02/2021

Sem comentários

O aproveitamento dos resíduos no setor de mineração é uma questão que sempre gera discussões e, segundo Flavio Ottoni Penido, vice-presidente do IBRAM (Instituto Brasileiro de Mineração), em entrevista à Agência Brasil, o aproveitamento dos rejeitos ainda é pouco explorado no Brasil. “Mas estamos avançando. Novas tecnologias estão sendo desenvolvidas não apenas para aproveitamento dos rejeitos. Temos novos métodos de produção que reduzem substancialmente o volume produzido, além das técnicas de tratamento a seco”.

Ainda segundo especialistas do IBRAM, as tecnologias existentes também já permitem o aproveitamento dos rejeitos para a sua transformação em coprodutos que podem ser aplicados em diversas áreas, com pesquisas envolvendo o seu uso na construção civil, como na fabricação de tijolos e pisos, e no asfaltamento de estradas.

Durante a fundição de matérias-primas de minério, são produzidos pós que ainda contêm pequenas quantidades de metais. No passado, essas poeiras eram despejadas em locais de armazenamento subterrâneos. Por muito tempo, não foi uma proposta comercialmente viável recuperar os metais remanescentes desses materiais residuais, em parte devido aos preços relativamente baixos dos metais.

No entanto, mudanças na lei significam que, no futuro, não será mais possível despejar esses resíduos acima do solo. Combinada com os preços do metal significativamente mais altos, a recuperação e reciclagem das poeiras que são continuamente produzidas, e também das poeiras despejadas, são uma alternativa economicamente interessante para o despejo subterrâneo. A tecnologia de dispersão e secagem da Eirich permite um processamento econômico.

Em um só equipamento

Tudo é possível em um único misturador: para um processo hidrometalúrgico de vários estágios, que, por exemplo, trata materiais residuais da fundição de metais pesados, primeiro é produzida uma suspensão a partir dos resíduos despejados. As partículas grossas inertes são separadas após a suspensão e, portanto, não sobrecarregam desnecessariamente o processo de tratamento posterior. No final da cadeia de processo, no mesmo misturador, usando gás quente, uma torta de filtro é seca por convecção e granulada sem poeira. O granulado é então alimentado no processo de fundição. Para capacidades de alto rendimento, os clientes também usam dois misturadores independentes no início e no final da cadeia de processo.

O princípio operacional exclusivo do misturador Eirich é baseado em uma cuba rotatória que transporta o material sendo misturado e uma ferramenta de mistura de velocidade variável conhecida como rotor, que pode operar de baixa a alta velocidade. A separação entre o transporte de material e o processo de mistura permite que a velocidade da ferramenta de mistura (e, portanto, a entrada de energia na mistura) seja variada dentro de limites amplos. E, assim, o misturador é adequado tanto para misturar como para granular, amassar e dispersar. Com os acessórios correspondentes, o misturador também pode ser usado para secagem por convecção.

Resíduos no setor de cerâmica

A dispersão de materiais úmidos em um Eirich MixSolver® é um método que já foi estabelecido com sucesso por décadas em várias indústrias. Na indústria cerâmica, por exemplo, este método tem sido usado para substituir o complexo processo de preparação da pasta de argila úmida usando moinhos de bolas e recipientes de agitação. Juntamente com as cunhas de pulverização / fundição para ladrilhos, cerâmicas utilitárias e cerâmicas técnicas, o Eirich MixSolver® também é usado para produzir pigmentos de revestimento para fabricação de papel, suspensões de carvão / água, concreto espumado, microssílica ou suspensões de pigmento, bem como compostos de marcação de estradas.

As máquinas estão disponíveis em tamanhos de 1 a 7.000 litros. Em comparação com a preparação em moinhos ou agitadores, graças à entrada de energia significativamente maior, os tempos de preparação podem ser reduzidos sensivelmente, na faixa de 10–15 minutos. Graças ao recipiente rotativo, as matérias-primas são alimentadas continuamente para a ferramenta de dispersão, de modo que não há zonas sem circulação, o que pode ser um problema com recipientes de agitação convencionais.

A economia de energia em comparação com moinhos de bolas está bem acima de 50%. Além disso, a tecnologia Eirich MixSolver® também permite a separação simples de substâncias estranhas não solúveis que não contêm materiais recicláveis ​​a jusante, que são triturados junto com os materiais recicláveis ​​e colocam uma carga desnecessária no processo.

Larga experiência

Nos últimos anos, Eirich implantou várias usinas de mistura para a recuperação de materiais recicláveis e rejeitos como, por exemplo, Unidades MixSolver® no tamanho RLV24 (capacidade: 3000 litros), bem como linhas de secagem baseadas em misturadores do tamanho RV19 (capacidade 1500 litros), a maioria com design resistente à corrosão, com todas as partes que entram em contato com o produto sendo feitas de aço.

A flexibilidade da tecnologia Eirich também permite que os parâmetros do processo sejam adaptados aos materiais residuais em mudança, de modo que a planta possa sempre operar com eficiência máxima. Isso permite ao cliente atender cada vez mais a demanda por metais pesados de alto preço por meio da reciclagem.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *