Eirich do Brasil
eirich@eirich.com.br

Como extrair valor dos resíduos de mineração 25/09/2020

Sem comentários

As preocupações ambientais associadas à mineração são bem conhecidas. As operações de mineração produzem materiais que devem ser processados e descartados com responsabilidade para evitar danos ambientais. Os rejeitos – co-produtos de resíduos minerais – são um dos principais poluentes, desde que despejados sem controle nos cursos d´água ou perto deles ou transportados pelo vento, contaminando áreas vizinhas. Para minimizar esses riscos, as mineradoras geralmente acumulam esses rejeitos em lagoas protegidas por barragens. 

Nos últimos anos, houve um crescimento significativo no comportamento responsável dos investidores, com as questões ambientais cada vez mais integradas em suas decisões de investimento. Atualmente, o gerenciamento responsável de rejeitos é uma das principais áreas no radar da indústria de mineração e os operadores de minas estão adotando cada vez mais meios alternativos de descarte de rejeitos para minimizar o impacto das operações de mineração no meio ambiente e, também, cumprir a crescente regulamentação e legislação em vigor. 

No entanto, esse ônus pode ser minimizado se as empresas de mineração mudarem de percepção e começarem a ver esses materiais em desuso não como lixo, mas como recursos potenciais. Os depósitos de rejeitos podem ser minas de ouro – literalmente, em alguns casos. 

Hoje existem milhões de toneladas de rejeitos sendo descartadas anualmente e bilhões acumuladas em barragens herdadas. Muitas instalações de rejeitos mais antigas possuem valores minerais residuais impressionantes, o que poderia oferecer oportunidades para ajudar na recuperação ambiental e, ao mesmo tempo, gerar receita adicional. Com o reprocessamento, as empresas de mineração podem definir a agenda para transformar os tanques de rejeitos de um passivo em um ativo. 

Reprocessamento – transformando “desperdício em valor” 

As minas normalmente seguem um caminho definido, desde a prospecção, o desenvolvimento, a extração e o fechamento, à medida que os recursos finitos são esgotados. Mas isso realmente precisa ser o fim da vida produtiva da mina? Os depósitos de rejeitos podem ser minas de ouro – literalmente, em alguns casos. 

Muitas instalações de rejeitos têm valores minerais residuais que podem não ter sido de interesse em épocas anteriores. Mas, com o desenvolvimento de novas tecnologias, as empresas de mineração estão descobrindo maneiras de extrair metais valiosos dos rejeitos. 

Nos rejeitos de ouro, sulfeto de cobre e minério de ferro, o potencial de extração de minerais é uma oportunidade. Reprocessar rejeitos para coletar minerais valiosos pode ser uma abordagem econômica, em comparação com o processamento de material virgem.  

Um método padrão de reprocessamento envolve arrastar os rejeitos de uma barragem existente de volta para o concentrador e usar as soluções de processamento mineral necessárias para liberar os metais valiosos. Os rejeitos descartados são então desidratados e empilhados a seco, e a água reciclada dentro da planta ou descartada adequadamente de volta à natureza. 

Isso ajuda as empresas de mineração a reduzir possíveis perdas de água, bem como a limpar as barragens de rejeitos existentes ou eliminá-las completamente, proporcionando uma oportunidade de extrair valor de co-produtos de mineração. No geral, soluções de mineração sustentáveis e produtivas, como o reprocessamento, ajudam a criar um valor compartilhado para as empresas de mineração, comunidades locais e todo o ecossistema. 

Novas tecnologias otimizam o reprocessamento 

No passado, o beneficiamento de rejeitos finos despejados, que geralmente representam um risco para o meio ambiente, muitas vezes não era rentável. Até a desidratação mecânica era muito complexa e cara. Agora, porém, a tecnologia de mistura de alto desempenho possibilita o benefício econômico de rejeitos de flotação que ainda contêm um nível significativo de minerais utilizáveis – e isso mesmo com conteúdo de umidade variável. Para extrair os minerais, os materiais como ganga geralmente precisam ser misturados com um ou mais outros materiais e granulados. É necessária uma tecnologia de mistura e granulação adequada para isso. 

Nos métodos de flotação como os usados para a recuperação de minérios, os materiais finos se acumularam com um conteúdo mineral cujo valor durante décadas foi muito baixo para que outros benefícios fossem realizados de maneira econômica. Os materiais foram depositados em tanques de rejeitos ou em lixões, onde, em muitos casos, milhões de toneladas se acumularam ao longo dos anos. Hoje – em uma época em que as matérias-primas são escassas e o minério de alta qualidade é cada vez mais raro – o beneficiamento dos materiais como ganga despejados geralmente faz sentido comercial, principalmente porque eles representam um risco ecológico. Isso pode ser feito de maneira econômica com a ajuda dos misturadores Eirich. 

Através do sistema de mistura Eirich, podem ser preparados de forma efetiva co-produtos com alto valor agregado, como poeiras e lamas de plantas de sinterização, altos-fornos, fundição, BOF e fornos elétricos. 

Olhando para uma imagem maior, em última análise, a possibilidade de extrair valor dos co-produtos sólidos trata-se da estratégia do ciclo de vida da mina. Um ciclo de vida eficaz da mina precisa de uma visão que aborde a segurança, conformidade e sustentabilidade com o mesmo senso de responsabilidade que a qualidade, produtividade e eficiência de custos. Conheça como a tecnologia de mistura Eirich pode ser aplicada ao tratamento de co-produtos de mineração e o link para a página de mineração.

Conheça como a tecnologia de mistura Eirich pode ser aplicada ao tratamento de co-produtos de mineração e entre em contato com nossos especialistas para mais informações.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *